carneelegumes

Por falar nisso… A carne é mesmo indispensável?

It's only fair to share...Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Pin on Pinterest0

“Come pelo menos o bife!” – Quantas vezes ouviu esta frase na infância? E opiniões fortes e divergentes sobre a opção de deixar de comer carne, simplesmente porque “isso não pode fazer bem!”?

Deixar de comer carne parece estar na moda. Seja optar por uma alimentação exclusivamente de origem vegetal ou ainda incluir pescado, ovos ou produtos lácteos, são escolhas comuns hoje em dia e nem sempre respeitadas ou consideradas saudáveis por quem rodeia. Mas será que a carne é mesmo indispensável? Para responder a esta questão temos de ter em conta vários aspectos, nomeadamente 3 nutrientes: proteínas, ferro e vitamina B12.

Proteínas

As proteínas são compostas por aminoácidos, os quais podem ser essenciais ou não essenciais. Os aminoácidos essenciais são aqueles que o organismo humano não consegue sintetizar, logo terá de por obter via alimentar. A proteína do pescado, ovo e produtos lácteos, tal como a da carne, contém todos os aminoácidos essenciais, logo se excluir a carne, mas consumir frequentemente estes alimentos, não terá carências proteicas. A soja, quinoa e amaranto, são fontes proteicas vegetais consideradas de alto valor biológico, mas, de um modo geral, os alimentos de origem vegetal têm um ou mais aminoácidos em falta ou em pouca quantidade (limitantes). No entanto, se o consumo de vegetais for variado e dentro dos vários tipos (cereais, pseudo-cereais, leguminosas, sementes, frutos oleaginosos,…), consegue-se complementar as faltas de uns com os aminoácidos de outros.

Ferro

O baixo consumo de ferro leva à utilização das suas reservas e consequente carência, provocando anemia. O ferro pode estar presente em 2 formas: heme e não-heme; o primeiro encontra-se em parte em alimentos de origem animal, enquanto que os vegetais contêm apenas o segundo. A diferença prende-se pela absorção, sendo que o ferro heme é mais facilmente absorvido que o não-heme. No entanto, se houver a preocupação de ingerir maior quantidade de ferro não-heme, o corpo consegue obter o necessário, especialmente se ingerir alimentos ricos em vitamina C para potenciar a absorção do mesmo. Com isto se conclui que mesmo sem o consumo de carne, consegue obter o ferro necessário para um indivíduo saudável.

Vitamina B12

A vitamina B12 é fundamental para o funcionamento do corpo humano e apenas é produzida por microrganismos (bactéricas, algas,…). Assim, esta é obtida por via alimentar e pela produção pela flora intestinal. Os produtos de origem vegetal raramente contêm vitamina B12, sendo esta adquirida apenas em alimentos de origem animal ou alimentos fortificados. Deste modo, mais uma vez, quem deixa de comer carne, mas consome pescado, ovos e produtos lácteos, não deverá ter carência desta vitamina, desde que os consuma com bastante frequência e em quantidade suficiente. No caso de uma alimentação estritamente vegetariana, o ideal será o consumo de alimentos fortificados, algas (se bem que estas poderão conter elementos que interfiram com a sua absorção) e até suplementação.

O que concluímos? O consumo de carne não é de todo indispensável. Aliás, a carne contém maior quantidade de gordura, especialmente saturada, do que o pescado ou opções vegetais. Assim, um padrão alimentar que inclua pescado, ovos ou produtos lácteos consumidos com frequência consegue fornecer os mesmos nutrientes e vantagens. Uma alimentação exclusivamente vegetariana, poderá necessitar de algum ajuste suplementar (como no caso da vitamina B12), mas também é considerada saudável, desde que seja variada e equilibrada.

Assim, que tal mudarmos o discurso para “Já comeste o peixe e os vegetais? Boa!”

Facebook Comments