hot-dog-1668141_960_720

Sabores Improváveis

It's only fair to share...Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Pin on Pinterest0

Sabores improváveis – uma delícia…..?!

Vários anos de convivência com família, amigos e consultas de nutrição, fizeram-me ouvir muita coisa, como devem imaginar. E já pouco no mundo da nutrição me consegue chocar. Chef’s conceituados do mundo conseguem ficar famosos pela junção e utilização de ingredientes supostamente improváveis, logo porque não fazermos o mesmo? Alguns de nós tentaram isso e caímos no erro de partilhar essas escolhas. Como já “sofri” na pele bullying nutricional acerca de certos sabores que adorava, hoje decidi tornar tudo público. Prontos?

  • Pão com maionese – pois é malta, esta combinação existe e é maravilhosa. Como sei? Porque fui uma das pessoas que a comeu na infância, influência da minha ama (sim, eu sei… também não entendo o porquê de ela achar que seria adequado para mim). Mas não é uma maionese qualquer… é aquela clássica, que todos sabemos o jingle do anúncio antigo e mais dicas não dou. Das poucas vezes que partilhei este meu pecado de infância, sempre fui julgada. Ouvi comentários desde “que nojo” a “isso não pode ser bom!” e eu percebo. É maionese. E muita. Em cima de pão. Não soa nada bem e nutricionalmente, é horrível. Não há justificação. Mas eu bem sei que não fui a única a cometer esta infração à alimentação saudável.
  • Gelado com batatas fritas – a primeira vez que ouvi isto fiquei um pouco sem reação. Ainda hoje, fico. É verdade que nunca provei, mas tenho zero vontade de o fazer. Ok, percebo o doce com o salgado, mas a compreensão fica mesmo por aí. Até porque o gelado deve tornar a batata frita mole, não? E batata frita mole é só horrível. Nesta linham, há agora a moda do bacon em sobremesas e quem prova fica louco. Eu ainda não me convenci. É porco… numa sobremesa…
  • Olhos de peixe – sim, leram bem. Há quem apenas os “chuche” e há quem os coma mesmo. Porquê? Assumo que considerem que seja bom, não? É que comer uma cabeça de peixe, eu percebo, pois eu própria adoro algumas, como a da dourada ou robalo grelhados. Mas traço o meu limite nos olhos do peixe. È que é o olho é “super viscoso” com algo rijo no meio… E não me venham dizer que comer a cabeça do peixe é estranho, pois é maravilhoso e saudável. Já me rendi e assumi o erro ali no assunto do pão com maionese, não cedo mais.
  • Ketchup na sopa – este é mais comum em crianças. Aposto que foi descoberto por uma mãe em desespero para conseguir que o seu filho comesse a sopa. Mas mesmo assim, como é que ela foi pensar nisto? O miúdo adorava assim tanto ketchup que conseguia disfarçar a sopa? E aqui, surge outra questão: que quantidade de ketchup?! A meu ver, nem um desespero de mãe justifica a escolha e a combinação. Já o disse (e escrevi noutra Garfada) que adoro sopa e este ato, para mim, é uma profanação da mesma.

Identificaram-se com algum ponto? Bem, acho que já não vale a pena ter vergonha. Agora já toda a gente sabe!

Facebook Comments